Bruce Chatwin

bruce-chatwin-.jpg

Bruce Chatwin (1940-1989) é um dos mais aclamados escritores de literatura de viagens de sempre. Foi jornalista do Sunday Times Magazine durante vários anos, e a carta de demissão que mandou ao seu superior ficou célebre – nela lia-se simplesmente: «Fui para a Patagónia.» O seu livro mais celebre é, justamente, Na Patagónia, um clássico da literatura contemporânea, relato de viagem e retrato da solidão dos grandes territórios do sul do mundo. A sua carreira literária foi curta (mais longa terá sido a de viajante), mas de enorme brilho. Os seus livros, entre os quais O Vice-Rei de AjudáO Que Faço Eu Aqui?Utz, Anatomia da Errância ou Regresso à Patagónia (com Paul Theroux), foram publicados pela Quetzal.

Nicolas Bouvier

nicolas-bouvier.jpg

Nicolas Bouvier (Genebra, 1929-1998) foi um escritor, viajante, iconógrafo e fotógrafo suíço. O pai, bibliotecário, sempre o encorajou a ler – em criança, já devorava livros de Stevenson, Jules Vernes e Jack London – e a viajar. Bouvier chegou a frequentar a Universidade de Genebra, mas deixou os estudos em 1953 para partir com o amigo Thierry Vernet na viagem que deu origem ao seu livro mais conceituado, O Mundo: Modo de Usar, que publicou oito anos depois. As suas viagens mais famosas levaram-nos ainda ao Sri Lanka (experiência que inspirou o seu único romance, Le Poisson-Scorpion), ao Japão e às ilhas de Aran, na Irlanda (destinos aos quais dedicou os livros de viagens Chronique japonaise Journal d’Aran et d’autres lieux). Nicolas Bouvier trabalhou muitos anos como fotógrafo e como investigador de imagem. Foi também fundador, com autores como Max Frisch e Friedrich Dürrenmatt, do Gruppe Olten, uma associação informal de escritores suíços de esquerda.

L’art de voyager dans L’Usage du monde de Nicolas Bouvier

Paul Theroux

Paul Theroux.jpg

Paul Theroux nasceu no Massachusetts, em 1941, e vive atualmente entre Cape Cod e o Havai. Foi professor em Itália, no Malawi, no Uganda, e também em Singapura e Inglaterra. Escreveu romances, ensaios e alguns dos melhores livros de viagens de sempre, como O Velho Expresso da PatagóniaComboio-Fantasma para o Oriente O Grande Bazar Ferroviário, todos publicados pela Quetzal.